25/jun

Cassação do vereador Pastor Anderson toma novos rumos em Itabirito

Na tarde desta quarta-feira (23), o advogado criminalista Mariel Marra esteve na Câmara Municipal de Itabirito com pedido de substabelecimento e agora assume a frente do processo de cassação que visa investigar possíveis irregularidades e crimes cometidos pelo vereador Pastor Anderson Martins. A Câmara Municipal de Itabirito recebeu no dia 28 de maio de 2021 denúncia contra o vereador Anderson Martins da Conceição. Após análise dos requisitos legais de admissibilidade, a denúncia foi apresentada em Plenário na reunião ordinária do dia 31 de maio de 2021, data em que foi realizada a leitura e o encaminhamento para votação.

Decidido pelo recebimento da denúncia, por meio do voto de sete vereadores, foi realizado o sorteio da Comissão Processante, sendo essa constituída pelos vereadores Leandro Silva Marques (presidente), Paulo Cesar Teixeira (relator) e Igor Júnior da Silva (membro).

Procurado pelo Jornal Minas, Mariel Marra informou que pediu o adiamento da próxima reunião em razão de poder ter acesso a tudo o que foi produzido até agora: “Eu fui substabelecido e preciso ter acesso aos autos, a defesa do vereador Pastor Anderson e espero que em nome da democracia o presidente da comissão me conceda esse direito” declara Marra.

Perguntado sobre a admissibilidade do processo de cassação, Mariel diz que é importante para o cidadão Itabiritense que esse processo seja aberto e investigado: “É um dever dos vereadores investigar qualquer denúncia. Quem não deve, não teme. A população precisa dessa investigação e isso seria bom até para o Pastor Anderson Martins. Se a comissão processante enterrar essa investigação, a população terá que abrir os olhos com os vereadores Leandro Silva Marques (Leo do Social), Paulo Cesar Teixeira (Paulinho) e Igor Júnior da Silva (nego Liso)” argumenta o advogado.

Comportamento do vereador Pastor Anderson

Assim que soube do substabelecimento de Mariel Marra, o vereador investigado disparou vídeos nas redes sociais e pelo whatsapp tentando descredibilizar dr. João, advogado substituído por Marra. Transtornado, Pastor Anderson buscou falas de dr. João e distorceu os áudios tirando as falas de seu contexto original, tentando parecer que o antigo advogado havia dito que não havia crime e por isso teria sido retirado do processo.

“O advogado dr. João foi substituído do processo por falar a verdade, não há crime…” disse Pastor Anderson em um vídeo repassado pelo whatsapp.

Pastor Anderson Martins também ligou para o advogado Mariel Marra tentando um possível acordo e se dizendo vítima de uma perseguição política na cidade. Além disso, assessores do Pastor Anderson, seguiram o advogado Mariel Marra enquanto esse caminhava até a Câmara Municipal.

Segundo pessoas que estavam com o advogado Mariel, dois carros os seguiram até o MPMG e acompanharam o até a saída de Itabirito.

Relatório do vereador Paulinho

O relator do processo de cassação pode definir os rumos da investigação, caso acate e seu parecer seja favorável pela abertura do processo, a comissão terá que iniciar seus trabalhos de oitiva de testemunhas tanto da defesa, quanto do autor do processo de cassação.

O suplente e autor do processo de cassação de Pastor Anderson, Toninho da Associação disse que é preciso abrir o processo de cassação para que tudo seja esclarecido: “É vedado ao vereador qualquer relação comercial, contratual e outros com a Prefeitura. Seja direta ou indiretamente. A empresa do vereador Pastor Anderson recebeu cheques de uma autarquia da Prefeitura de Itabirito, isso é real, é verdade, estão no processo inclusive. Nenhum vereador está acima da lei, tem que ser investigado! Como pode um vereador receber cheques da Prefeitura? Como pode a Prefeitura beneficiar uma empresa de um vereador? E isso na cara da população?” afirmou Toninho.

Análise Política

Já ouviu a expressão: “Pau que dá em Chico dá em Francisco”? A expressão releva a necessidade de igualdade e isonomia. A expressão faz alusão a ideia de que “Chico” é uma pessoa qualquer, sem posição social relevante, enquanto “Francisco” é uma pessoa relevante, com posição social de destaque. Mas, no final, todos são iguais, pois todo Francisco é Chico e todo Chico é Francisco, razão pela qual não há que se diferenciar na aplicação de uma norma.

“A régua da Justiça deve ser isonômica e sua força deve se impor a fortes e a fracos, ricos e pobres. Tal mensagem que a linguagem simples do povo traduz: o pau que dá em Chico dá em Francisco”, trecho do discurso de sabatina de Rodrigo Janot perante o Senado Federal, em 2015.

É claro que o Pastor Anderson Martins é inocente até que se prove o contrário, mas me estranha esse desespero do vereador. Se é inocente, não deve se preocupar com a abertura do processo, e ponto. Mas, todo esse jogo midiático, tirando áudios de contexto, gravando vídeos de ataques, mandando assessores seguirem advogados, isso não cheira bem não.

Anúncio

O vereador Pastor Anderson tenta a todo custo enterrar a investigação que poderá culminar em provas para uma ação que está no Ministério Público contra o parlamentar. Documentos serão pedidos, testemunhas ouvidas, contratos analisados.

Itabirito passa por um momento importante na sua história, e precisa dessa investigação. Caso os vereadores Léo do Social, Igor Nego liso e Paulinho votem pela não abertura do processo de cassação, Itabirito deve reagir energicamente a isso. A internet não deixa morrer, e o brasileiro ganhou uma memória eterna. Com certeza, esses vereadores terão um reflexo negativo lá na frente.

Por Thiago Carvalho

JORNAL MINAS reforça seu compromisso com o profissionalismo, a qualidade e o jornalismo mineiro. Nossa redação fornece informações responsáveis ​​e confiáveis ​​todos os dias. Apoie a informação de qualidade, siga-nos pelas redes sociais – Facebook Instagram Twitter Whatsapp

Compartilhar esta notícia:


Comentários


Anúncio


Redes sociais
Jornal Minas