22/jun

Com desfalques por Covid-19, Atlético empata com a Chapecoense no Brasileirão

O Atlético Mineiro perdeu boa oportunidade de se aproximar dos primeiros colocados. Na noite desta segunda-feira, no encerramento da quinta rodada, o time alvinegro cedeu o empate para a Chapecoense por 1 a 1, em pleno Mineirão, e ficou fora do G-4, em jogo que ficou sem gol de Hulk.

Com o resultado, o Atlético Mineiro ficou em quinto, com dez pontos, contra 12 do líder Athletico. A Chapecoense, por outro lado, deixou a zona de rebaixamento e terminou em 16º, com três. No entanto, o time catarinense seguiu sem vencer o adversário no Mineirão. Na história, são três jogos no estádio, com dois reveses e um empate.

Galo na frente

Antes da bola rolar, o Atlético divulgou novas baixas por Covid-19. São cinco jogadores, dentre eles o grande destaque da equipe, o argentino Nacho Fernández, além do zagueiro Igor Rabello, que testou negativo, mas apresentou sintomas gripais e, por isso, acabou sendo poupado do embate. Mesmo assim, Cuca montou um time competitivo. A equipe mineira comandou a partida, mas também sofreu para conter os avanços da Chapecoense.

Sem Nacho, coube a Hulk liderar a equipe. O ‘herói’ atleticano foi muito bem marcado, mas conseguiu se desvencilhar dos zagueiros para deixar Hyoran em boa condição de arrematar. O meia mandou por cima. O papel se inverteu logo depois. Desta vez, o camisa 7 recebeu dentro da área e cabeceou no travessão.

O gol saiu aos 24 minutos. Após boa jogada de Hyoran, Tchê Tchê chegou batendo, como elemento surpresa dentro da área, para fazer 1 a 0.  A Chapecoense não se intimidou, nem com os ‘poderes’ do xará do personagem da Marvel. Ravanelli perdeu uma chance inacreditável. Com o gol livre, chutou em cima do próprio companheiro de equipe, Anselmo Ramon. A bola chegou a entrar, mas o árbitro assinalou impedimento. Éverton também teve que trabalhar para impedir a igualdade.

Empate

O panorama do segundo tempo não mudou. Era Hulk de um lado, Hulk do outro e João Paulo se virando como podia para impedir o camisa 7 de deixar o seu. Se com a bola, o atacante chamou a responsabilidade, sem ela, o time mineiro recuava por completo, chamando a Chapecoense para o seu campo defensivo.

Keno começou a ser muito acionado e chegou a desperdiçar uma grande oportunidade de marcar. O atacante, no entanto, sofreu uma torção de tornozelo e acabou deixando o jogo. Do banco de reservas, ficou desolado, talvez com a lesão, talvez com a atuação, mas o jogador foi aos prantos.

Logo depois, o VAR foi chamado e o árbitro assinalou pênalti de Allan em Fernandinho. Ravanelli bateu com perfeição e deixou tudo igual, jogando um ‘balde de água fria’ nos atleticanos, que esboçaram uma reação no fim, mas não conseguiram evitar o tropeço em pleno o Mineirão.

Próximos jogos

Na próxima rodada, o Atlético enfrenta o Ceará na quinta-feira, às 19h, na Arena Castelão, em Fortaleza (CE). No mesmo dia e horário, a Chapecoense recebe o Inter, na Arena Condá, em Chapecó (SC).

Por Geraldo Martins

JORNAL MINAS reforça seu compromisso com o profissionalismo, a qualidade e o jornalismo mineiro. Nossa redação fornece informações responsáveis ​​e confiáveis ​​todos os dias. Apoie a informação de qualidade, siga-nos pelas redes sociais – Facebook Instagram Twitter Whatsapp

Compartilhar esta notícia:


Comentários


Anúncio


Redes sociais
Jornal Minas