22/dez

Outdoores são espalhados por Belo Horizonte – Pais e médicos pedem retorno das aulas

Um grupo de médicos pró-educação se uniu aos grupos de pais e educadores, sem vinculação política, que defendem que a Prefeitura de Belo Horizonte priorize o retorno das aulas presenciais nas escolas municipais e particulares da cidade. A campanha espalhou outdoors pela cidade com frases como “Lugar de criança é na escola e nossas crianças estão adoecendo fora delas” e “Manter escolas fechadas durante a pandemia é um erro e causa impactos devastadores no aprendizado, no bem-estar físico e mental e na segurança das crianças”.

+ Notícias Belo Horizonte

A médica pediatra cardiologista responsável pela criação do novo grupo, Carolina Andrade Bragança Capuruço, afirma ter ciência que a transmissibilidade da COVID-19 na escola também pode aumentar se o número de casos estiverem altos, mas, segundo ela, são vários os motivos para que elas sejam reabertas. “O que nós queremos é que sejam feitas medidas para que esses casos reduzam, para que a gente possa voltar o mais rápido possível em 2021 com protocolo de segurança” disse Capuruço.

Ainda segundo a médica, a escola não é só um local de conteúdo programático e sim um local de desenvolvimento humano e de personalidade. Segundo ela, declarações debatidas em instituições como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) afirmam que quanto maior a vulnerabilidade social e econômica de um país mais a escola exerce o papel de proteção social.

Outro dado questionado pelos médicos é o de que 90% dos casos são os adultos que passam para as crianças, e não crianças que passam para os adultos. “As crianças estão adoecendo física, mental e socialmente. O número de abusos aumentou absurdamente, o número de maus-tratos, traumatismos, número de desidratação, infecções. Porque as crianças estão na rua. Elas não estão protegidas dentro de casa, como alguns alegam” afirma a pediatra.

e social, a questão da construção da personalidade, os transtornos psíquicos gravíssimos, depressão, obesidade, tentativas de suicídio e até mesmo agressões não estão sendo levadas em conta pelo porder público quando decide a favor do fechamento das escola.

Para o grupo organizado de médicos, pais e professores, a saúde e a educação tem que vir antes de qualquer outro setor. Porém, eles dizem se sentirem desamparados, já que a vacina sequer foi testada na população pediátrica. E por isso, não tem como liberar um imunobiológico numa população que não foi testada ainda.

Funcionamento

Fechadas há nove meses, as escolas de Belo Horizonte podem reabrir no ano que vem. Segundo o prefeito da cidade, Alexandre Kalil (PSD), em entrevista coletiva prestada na última sexta-feira, 18 de dezembro, a retomada das aulas vai começar a ser estudada pelo Executivo. Uma das possibilidades seria fazer dois anos letivos em um.

“Temos que ler mais, ver o que está acontecendo com o mundo, temos de copiar. Abriram as escolas. Agora, estão saindo estudos que a escola não contamina. Então, vamos começar a estudar a abertura das escolas”, disse Kalil em resposta aos questionamentos.

“Isso é muito recente e é um assunto que começamos. Começo na segunda-feira a tratar desse assunto para, no ano que vem, tentar fazer dois anos em um no ensino fundamental”, completou Kalil.

Sabendo das declarações do prefeito, os médicos, pais e professores lutam para a reabertura das escolas ser feita até o dia 1 de fevereiro de 2021, e pedem a inclusão de um médico pediatra e um médico psiquiatra no Comitê de Enfrentamento da PBH, além de um especialista da Educação, indicado por deles. O grupo luta pela inclusão desses profissionais no grupo de discussão que formou-se nesta segunda-feira, 21, na Prefeitura de Belo Horizonte.

Por Redação Jornal Minas

Siga Jornal Minas nas redes sociais

Facebook Instagram Twitter Whatsapp

Compartilhar esta notícia:


Comentários


Anúncio


Redes sociais
Jornal Minas