18/dez

Rachadinha e superfaturamento podem chegar a 3 milhões de reais na Câmara de Nova Lima

Em coletiva de imprensa realizada na tarde desta sexta-feira 18, a Policia Civil de Minas Gerais (PCMG) esclareceu a operação deflagrada na Câmara Municipal de Nova Lima (CMNL).

Domiciano Monteiro chefe da divisão de combate a corrupção e Gabriel Fonseca titular da primeira delegacia de combate a Corrupção estiveram a frente da coletiva. A operação “Contrato Leonino” cumpriu 15 mandados de busca e apreensão no município de nova Lima, ao todo 57 policiais civis participaram da ação que teve como alvo seis dos dez vereadores e assessores, os fatos são praticados desde 2015. Crimes de peculatos, rachadinha e contratos superfaturados de aluguéis de veículos. Foram apreendidos equipamentos eletrônicos, documentação e R$70.000,00 mil reais em espécie.

As investigações iniciaram em agosto de 2020, porém por motivo do período eleitoral a Policia Civil aguardou o fim das eleições para dar andamento. Ao todo o prejuízo estimado aos cofres públicos pode chegar a R$3.000.000,00 milhões de reais somente em superfaturamento, sem contar o crime rachadinha (onde assessores devolvem parte do salário para o vereador).

Segundo as investigações o esquema envolve locação de veículos em empresas de fachada com valores acima do praticado no mercado, chegando a pagar aluguel de um veículo já vendido pelo locador.

A CMNL soltou nota dizendo que preza pela transparência e tem compromisso com a gestão e está disponível par às autoridades competentes.

Entre os vereadores somente Silvanio Aguiar se pronunciou em um vídeo. Ele diz estar tranquilo e colaborando com as investigações e que o seu celular foi apreendido.

Por Thiago Carvalho

Siga Jornal Minas nas redes sociais

Facebook Instagram Twitter Whatsapp

Compartilhar esta notícia:


Comentários


Anúncio


Redes sociais
Jornal Minas