04/jun

Justiça manda CSN adotar medidas de segurança em barragem de Rio Acima

A Justiça determinou que a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) adote medidas de segurança em uma barragem da Mina de Fernandinho, em Rio Acima, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Caso as mudanças não sejam feitas, o Grupo CSN terá multa diária de R$ 1 milhão. Os moradores já foram retirados da área de risco.

Barragem

Segundo o Governo do Estado, a barragem tem aproximadamente 33 metros de altura e um aterro estimado em 413 mil metros cúbicos. O local está com a declaração de condição de estabilidade negativa, em nível dois de emergência, e teve o PAEBM (Plano de Ação Emergencial de Barragens de Mineração) acionado devido ao não atendimento dos fatores de segurança.

Em 2019, o nível de segurança da barragem da Mina de Fernandinho, em Rio Acima, alcançou o nível 1 de emergência e os moradores da ZAS (Zona de Autossalvamento) foram retirados das casas e realocados, devido a elevação do nível de risco.

Ameaça

Em caso de ruptura, a estrutura, que está a menos de nove quilômetros do Rio das Velhas, pode causar danos a a Itabirito, Raposos e outras cidades próximas, além de interromper a captação de água pela Copasa (Companhia de Saneamento de Minas Gerais) em Bela Fama, distrito de Nova Lima, na Grande BH.

O Governo de Minas afirma que permanece mobilizado e que tem um Plano Integrado de Resposta para direcionar a atuação integrada dos órgãos e entidades estaduais, como Defesa Civil, Fundação Estadual do Meio Ambiente, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Copasa. O Governo ainda afirmou que os órgãos envolvidos estão monitorando a situação.

Outro lado

Em resposta a demanda da reportagem, a mineradora Minérios Nacional, que pertence ao Grupo CSN, afirmou que a obra de estabilização e descomissionamento da Barragem B2A, na mina de Fernandinho, está temporariamente suspensa “para tratativas junto à Agência Nacional de Mineração (ANM)”.

A barragem, neste momento, está com nível reduzido de água, de acordo com a empresa.

“A empresa, hoje, não possui nenhuma barragem de rejeitos em operação. A obra deverá estar totalmente concluída em março de 2022. Diariamente são feitas inspeções na obra e sua estrutura não apresenta risco de rompimento”, afirma a Minérios Nacional, que diz estar comprometida “com a produção a pelo método a seco e livre do uso de barragens”.

Por Redação

JORNAL MINAS reforça seu compromisso com o profissionalismo, a qualidade e o jornalismo mineiro. Nossa redação fornece informações responsáveis ​​e confiáveis ​​todos os dias. Apoie a informação de qualidade, siga-nos pelas redes sociais – Facebook Instagram Twitter Whatsapp

Compartilhar esta notícia:


Comentários


Anúncio


Redes sociais
Jornal Minas