08/mar

Politize #01 – Mulheres decidem a eleição da Câmara em Nova Lima

Sou Thiago Carvalho, consultor político e está é a primeira coluna Politize no Jornal Minas. Boa leitura!

A Câmara Municipal de Nova Lima elegeu hoje (8), definitivamente, o presidente da mesa diretora. Com cinco votos, o vereador Anisinho venceu a eleição e deu início a um novo capítulo no Legislativo de Nova Lima.

A decisão teve um tom especial com a participação efetiva das vereadoras Juliana Sales (Cidadania) e Viviane Matos (DEM) que, justamente no Dia Internacional das Mulheres, lideraram a bancada e exerceram papel decisivo para a resolução do imbróglio.

Anúncio

Decisão feminina

Longe dos stories das redes sociais, as vereadoras tomaram a frente das articulações para que a eleição da mesa diretora não sofresse novas intervenções jurídicas.

Preocupada com os desdobramentos na vida da população, Juliana Sales se posicionou a favor do andamento da cidade e propôs diálogo entre os grupos. Viviane Matos, atual secretária, mediou os debates e apaziguou o clima político na casa.

Por todo histórico da situação, a decisão pela abstenção de voto da vereadora Juliana Sales se mostrou a atitude mais sensata neste novo mandato.

Fim do caos político

A tão aguardada decisão põe fim a um dos períodos mais improdutivos politicamente na cidade. Há três meses, Nova Lima esteve mergulhada em um imbróglio sem precedentes. A briga pela disputa da mesa diretora trouxe sérias consequências à cidade. Os danos vão desde falta de pagamentos a fornecedores à insegurança jurídica e política, que amedrontava ainda mais os moradores em meio à pandemia do novo coronavírus.

Manobras para eleger Boi

O caos em torno da votação foi devido à insistência do grupo de José Carlos Boi (PSL) em elegê-lo, em detrimento ao Regime Interno da casa. Composta pelos vereadores Álvaro de Azevedo (Avante), Danúbio Machado (Cidadania) e Tiago Tito (PSD), a chapa manobrou desde a primeira derrota para que Boi concorresse novamente ao cargo.

Neste período, a briga de egos e a vaidade tomou conta da casa. A situação chegou ao ponto de Danúbio acusar sua correligionária Juliana Sales de ilegalidades na condução da sessão solene de 1º de janeiro.

Tiago Tito havia conseguido um agravo ainda não publicado para que o processo eleitoral recomeçasse do zero. Dessa forma, Boi que foi retirado do pleito por decisão judicial, retornaria ao jogo.

Boi é investigado pela Polícia Civil que apura irregulares durante o mandato. Em dezembro do ano passado, a Polícia Civil do Estado de Minas Gerais deflagrou na Câmara Municipal de Nova lima a operação que deu o nome de “Contrato Leonino” e apura o esquema de superfaturamento de contratos que ocorre desde 2015, bem como o crime de rachadinhas entre vereadores e assessores.

A eleição

A reunião, realizada de forma remota e transmitida pelo canal oficial da Câmara na plataforma do YouTube, foi presidida pelo vereador Claudinho da Vale e teve como secretária a vereadora Viviane Matos. Os condutores da sessão colocaram os nomes de forma individual, e não por chapas.

Para presidente: Anisinho e José Carlos Oliveira Boi

Para vice-presidente: Claudinho Valle (Eleito por unanimidade)

Para secretário: Vivane Matos (Eleito por unanimidade)

Como votou cada vereador para presidente

  • Álvaro Azevedo: José Carlos Oliveira Boi
  • Anisinho: Anisinho
  • Danúbio Machado: José Carlos Oliveira Boi
  • Claudinho Valle: Anisinho
  • José Carlos de Oliveira: José Carlos Oliveira Boi
  • Jose Lino Santana: Anisinho
  • Juliana Salles: Absteve
  • Thiago de Ameida: Anisinho
  • Tiago Tito: José Carlos Oliveira Boi
  • Viviane Matos: Anisinho

Em termos práticos a composição da mesa continua na mesma situação, porém, com mais garantias que o projetos possam ser debatidos e votados sem risco de anulações.

Nova Lima agora pode iniciar o ano legislativo de 2021. A população respira aliviada.

Por Thiago Carvalho

Siga Jornal Minas nas redes sociais

Facebook Instagram Twitter Whatsapp

Compartilhar esta notícia:


Comentários


Anúncio


Redes sociais
Jornal Minas