27/set

Resenha do Leão #02 – Maycom Guimarães

Domingo (20), o Villa Nova-MG iniciou a sua saga na competição nacional. Com a queda no Campeonato Mineiro, o time necessita chegar à série C nesta temporada, já que a disputa da série D é condicionada aos três melhores colocados no Estadual do ano anterior. Ou seja, fora do Mineiro e sem conquistar o acesso, o Villa não disputa o Nacional em 2021 e 2022.

Villa Nova x Bahia de Feria – Campeonato Brasileiro série D

Pré-jogo

Com excelente estreia o Villa tinha um novo desafio:  jogar na Bahia contra o “Tremendão”, como é conhecido o Bahia de Feira, na Arena Cajuzeiro, local de muitos transtornos grandes times da capital baiana. O Leão do Bonfim preparou para esse jogo com treinamento de recuperação dos jogadores, treino na  Toca da Raposa em campo sintético para adaptação ao gramado do Cajuzeiro, que é sintético.

+ Noticias sobre esporte

Primeiro tempo

Com Deola, Wander, Wellington, Rodolfo, Maicon (Capitão), Gustavo, João Paulo, Augusto Recife, João Lucas, Lucas Grossi e Etinho, o Villa entrou em campo com mesmo time do jogo passado (3-5-2). A grande diferença veio logo no inicio sem a marcação alta que deu espaço o Bahia de Feira na tentativa jogar no erro do adversário.  Atitude pouco assertiva, algumas oportunidades para  O Glorioso surgiram com Lucas Grossi e Gustavo, sem aproveitamento. No decorre do primeiro tempo o  Bahia ocupou o campo defensivo e levou perigo a Deloa. Com o excelente Bruninho na criação, o Tremendão teve boas oportunidades. O Villa não conseguiu apresentar o futebol da estreia no Alçapão. Com dificuldade de criar errava passes e cedia a posse de bola ao adversário. Até que Bruninho  roubou a bola no meio de campo e assistiu Ebinho, 1×0 para o Bahia. O Villa tentou empatar logo após o gol, mas a falta de pontaria e Marcão(GOL) manteve o resultado adverso.

Segundo tempo

Na volta a troca entre Alef (MEI) e Gustavo(ALA), me causou estranheza já que o ala apresentava um bom futebol ao lado de Grossi. A duvida se foi por opção do treinador ou se o atleta sentiu algo. Porém o Leão voltou com a postura diferente. Precisando do gol Mancini (TEC) adiantou a marcação e pressionou a saída de bola adversária, levou perigo nas bolas paradas. Mesmo assim perdeu boas chances de empatar o jogo. Com o  controle da partida o Villa não conseguiu o gol. Esta postura ofensiva abriu espaço para contra-ataque, além de que as alterações começaram a desfigurar o time. Atacante no lugar de ala, meio de campo  no ataque, time irreconhecível! E para piorar nosso paredão, Deola falhou no segundo gol no final do jogo. Com isso as expectativas de conseguir o empate ficaram mais difíceis. Foi nítido, o time acusou o golpe e não conseguiu criar mais. O Villa conhece sua primeira derrota no campeonato.

Resumo

O Villa Nova claramente foi com o objetivo de conseguir um empate ou até mesmo os três pontos jogando no contra-ataque. Infelizmente sua estratégia teve que ser alterada quando tomou o gol. Ficou claro que o time sentiu dificuldade com o gramado sintético. Erros amadores como tempo de bola e até domínio pautaram o futebol do Leão.  A melhora surgiu quando o time propôs o jogo.

Agora é levantar a cabeça e descansar da viagem, na quarta-feira (30), tem outro jogo importante contra o Gama, às 20h30. É crucial o nosso Glorioso se reabilitar para continuar sonhando com esse acesso à série C.

Foi a primeira vitória do do Bahia de Feira na Série D, que se reabilitou da derrota na estreia da competição para o também mineiro Tupynambás  por 2 a 1.

Vamos Leão!

Por Maycom Guimarães

Compartilhar esta notícia:


Comentários


Anúncio


Redes sociais
Jornal Minas