09/mar

Como adquirir e armazenar Bitcoin – Gilmar Lopes

A aquisição e armazenamento de criptomoedas ainda é um assunto que levanta dúvidas e questionamentos entre os usuários e interessados em investir nesses ativos.  Destaco  que este tópico, em especial deve ser tratado com clareza, pois é sem dúvida é o conjunto de informações mais importante e valioso que um usuário de criptoativos pode ter!

Se você é novo aqui, leia as outras colunas para entender melhor este mercado:

A aquisição

Criptomoedas podem ser obtidas basicamente de três maneiras:

Mineração – O Minerador “ajuda” a rede de determinado criptoativo desempenhando tarefa ou tarefas pré-estabelecidas pelo algoritmo do mesmo e é recompensado com uma porcentagem do ativo vigente. No bitcoin, por exemplo, o minerador injeta poder computacional na rede a fim de validar transações e quando a operação é bem-sucedida, o mesmo recebe uma recompensa de 6,25 bitcoins. A cada 10 minutos (aproximadamente) são liberados 6,25 bitcoins para o primeiro minerador que conseguir validar todas as transações ocorridas dentro desse tempo(POW).

AirDrop – Geralmente acontece no início do projeto de um criptoativo e trata-se de uma estratégia de marketing para atrair usuários. Nessa modalidade alguns criptoativos são distribuídos gratuitamente e o detentor dos mesmos tem a oportunidade de conhecer melhor os detalhes do projeto e, quem sabe, começar a comprar por conta própria consequentemente ajudando a moeda a crescer (Exemplo: Ethereum-ETH foi distribuído gratuitamente no início e hoje está cotado em mais de 9 mil reais por unidade).

Compra – Consiste basicamente na troca de moeda fiduciária pelo criptoativo desejado e pode ser feita via:

  • P2P – Troca sem intermediários feita de pessoa para pessoa. Pode ser presencial, sem necessidade de identificação alguma (quando feita com dinheiro em espécie) ou on-line (OBS: as partes devem confiar uma na outra), onde o envio de moeda fiduciária ocorre via transferência bancária, que automaticamente identifica a parte compradora descartando a necessidade de solicitação dos documentos de identificação pela parte vendedora. Eu particularmente recomendo que compradores não enviem seus documentos pessoais à vendedores P2P;
  • Exchange – Troca feita através uma casa de câmbio, que além de identificar as partes que transacionam, também custodia e intermedia a transação – Exchanges brasileiras são obrigadas, por lei, a portar registro de todos os seus clientes, reter cópias dos seus documentos e reportar as movimentações financeiras dos mesmos (vide IN1888);
  • DEX – São Exchanges descentralizadas. Diferente das Exchanges tradicionais, não operam com adição de moedas fiduciárias. Porém, o usuário pode utilizar tokens lastreados às moedas fiduciárias e realizar aquisição de criptoativos nas DEX sem necessidade de registro, identificação ou quaisquer métodos que invadam sua privacidade.

O armazenamento

As criptomoedas podem ser armazenadas das seguintes formas:

Wallets (ou Carteiras de criptoativos) – São basicamente softwares/App usados para armazenar criptoativos, esses softwares disponibilizam chaves privadas e públicas. As chaves privadas constituem códigos únicos, diretamente vinculados à posse de uma carteira e consequentemente dos criptoativos nela presentes. Enquanto as chaves públicas geram endereços públicos (também únicos num blockchain específico) para que o usuário possa compartilha-los e consequentemente receber valores/pagamentos em criptoativos.

Hard Wallets (ou carteiras físicas) – São hardwares que atrelados à wallets especificas funcionam como tokens de acesso lógico e físico. Ou seja, além da segurança criptográfica de uma wallet tradicional, o usuário conta também com interação física para acessar esse tipo de carteira.

Paper wallets (carteiras de papel) – É basicamente a impressão/gravação das chaves (privada e pública) em papel -ou qualquer material- para que através deste o usuário possa receber criptoativos, acessar seus fundos ou mesmo acessar sua wallet pela primeira vez. Sei que o método pode parecer confuso, porém, vale ressaltar que todas as chaves possíveis para o endereço de uma wallet já existem no blockchain e com base nisso, a impressão de uma paper wallet se dá através de um software (on-line ou até off-line) que simplesmente seleciona chaves disponíveis.

O usuário de criptomoedas sempre deve ter em mente que a posse literal de seus criptoativos está diretamente relacionada à posse das suas chaves privadas. Logo, manter criptoativos em Exchanges ou quaisquer opções nas quais você não tenha acesso às chaves privadas implica em terceirização de custódia e consequentemente confiança na instituição ou empresa que armazena seus criptoativos.  Exchange até é carteira, porém… Não é sua carteira!

Por Gilmar Lopes 

Siga Jornal Minas nas redes sociais

Facebook Instagram Twitter Whatsapp

Compartilhar esta notícia:


Comentários


Anúncio


Redes sociais
Jornal Minas