30/mar

Politize – Entrevista com Felipe Gonçalves prefeito de Rio Acima

Na entrevista desta semana à coluna Politize, o nosso convidado é o Felipe Gonçalves, prefeito de Rio Acima. O jovem gestor conversou com o colunista Thiago Carvalho sobre o inicio do seu mandato, as ações e o planejamento para a cidade.

Thiago Carvalho – Bom dia Felipe! Parabéns pela sua vitória na eleição 2020. Sua candidatura foi confirmada após a impugnação de seu pai, Waldiney Gonçalves, pela justiça eleitoral. Vemos em sua trajetória política grande influência dele sendo que, inclusive, você até utilizou seu nome em campanha. Como é a relação política entre vocês?

Felipe Gonçalves – Bom dia! Obrigado pelo reconhecimento da vitória na eleição. Foi realmente expressiva, éramos cinco candidatos e obtive mais do que 52% dos votos, lembrando que entrei na disputa faltando apenas três semanas para a eleição. O meu relacionamento com meu pai sempre foi maravilhoso, é um ídolo que tenho, não só pelos acertos dele na vida pública, mas muito mais pela pessoa carinhosa e amável que sempre foi! Meu pai me criou, assim como minha irmã Ana Paula, com muito carinho, atenção e diálogo, sempre nos ensinando e nos falando sobre lições de vida e valores morais como: gratidão, honestidade, humildade, etc. Graças a Deus nunca nos deixou faltar carinho e companheirismo, estando ao nosso lado nos momentos difíceis e de erros e acertos, sempre nos apoiando e ensinando. Quanto ao nome, sempre fui o Felipe do Waldiney, desde criança, referência usada pelos amigos para me identificar dentre os diversos “Felipe’s” de Rio Acima. A minha relação política com meu pai sempre foi muito boa. Meu pai, Waldiney, foi vereador, presidente da câmara, vice-prefeito, prefeito e vice-presidente da Granbel. Em sua trajetória, sempre fui um grande apoiador e cabo eleitoral, acompanhando de perto todos os momentos. Waldiney tem vasta experiência política, creio ter um bom professor dentro de casa, que tem muito a ensinar e orientar, a partir de tudo que vivenciou nesses longos anos de vida!

Thiago Carvalho – No início do seu mandato, você chegou a confirmar o nome de seu pai como Secretário de Administração, pouco tempo depois você fez a troca.  Qual o motivo da saída dele do Governo? Qual a participação dele neste momento em seu mandato?

Felipe Gonçalves – Por conta da sua vasta experiência política e conhecimento adquirido na administração pública, que muitas pessoas se lembram e exaltam até hoje, pretendia nomeá-lo secretário de administração e cheguei a externar esse meu desejo, em busca de formar uma equipe de primeira e altamente qualificada. Mas, por não termos a certeza da segurança jurídica do ato administrativo, resolvemos aguardar um parecer de órgão competente, indicando a possibilidade da nomeação. Portanto não houve troca, uma vez que não houve a nomeação para o cargo. Desde sempre tivemos um relacionamento maravilhoso de pai e filho e ele sempre foi um grande conselheiro que tenho, em tudo que fiz na vida procurei ouvi-lo e tomar opiniões. Hoje em dia não é diferente, certo da responsabilidade do cargo que ocupo, procuro sempre o meu pai para conversarmos, assim como alguns amigos e também com minha esposa em casa. O meu desejo é atender os anseios da comunidade, por isso, procuro ouvir o máximo de pessoas que posso. O diálogo é uma marca que trago comigo e que aperfeiçoa as ideias e traz mais acertos às decisões.

Thiago Carvalho – No final do ano passado, a reportagem do Jornal Minas esteve em Rio Acima para averiguar a falta de água em alguns bairros da cidade. Famílias passaram o Natal sem abastecimento, que estava cortado há pelo menos 15 dias, segundo moradores. Como a sua administração pretende resolver este problema crônico da cidade? Existe a possibilidade da terceirização deste serviço?

Felipe Gonçalves – A falta de água é um problema antigo no nosso município, e um fato que levantei muito em campanha, dizendo que tenho a solução e que vou resolver esse problema. Logo na primeira semana de governo resolvemos diversas demandas da falta de água, estancando mais de 50 pontos de vazamentos e economizando mais de um milhão de litros de água por mês. A equipe de obras, coordenada pelos servidores Paulão e Zé Candido, se empenhou em resolver o problema da falta de água, acabando com vazamentos, aumentando a capitação, regulando registros e hoje a população de Rio Acima tem água durante todo o dia. Esse era o plano para solução imediata, porém não definitiva. A rede de distribuição de água é muito antiga, mau dimensionada e com as contenções de vazamentos, a pressão na rede aumentou muito e de vez enquanto há o rompimento de tubulação em alguns pontos, interrompendo o fornecimento em alguns bairros por algumas horas. Para sanar de vez o problema que não foram resolvidos nas gestões anteriores, vai ser preciso um trabalho muito mais amplo e mais bem estudado, para ser executado a longo prazo, que se resume em troca da rede, ampliação dos reservatórios e construção de novas ETA’s mais eficientes. Não foi ainda levantada a hipótese de terceirização desse serviço.  E tudo faremos para que não haja necessidade de terceirizarmos.

Thiago Carvalho – Neste momento de pandemia, vários profissionais tiveram sua forma de atuação modificada, inclusive os professores da rede de Ensino Municipal. Hoje estão trabalhando no modelo remoto e, com isso, o governo passado cortou o incentivo à docência. Porém, temos exemplos em cidades vizinhas, como Nova Lima, na qual esta situação já esta resolvida. Além disso, existe ainda um parecer do Ministério Público favorável ao retorno do incentivo. Por que ainda não foi feito este pagamento aos professores de Rio Acima em 2021?

Felipe Gonçalves – Tenho o mesmo entendimento do Ministério Público, o afastamento das salas de aula foi compulsório, o que não deveria gerar perda salarial ou perda do incentivo a docência. Inclusive entendo que deverá ser pago pelo município todos os cortes indevidos, desde o ano passado. Porém, o entendimento da administração anterior não era esse, e o litígio está tramitando na justiça. Com isso, os pagamentos infelizmente só poderão ocorrer após a decisão judicial. Nessa explicação, espero que entendam que não é o meu governo que não deseja pagar, dependemos do resultado da decisão judicial.

Thiago Carvalho – Em pouco tempo sua administração encaminhou o plano diretor à Câmara Municipal de Rio Acima. Vocês refizeram todo o plano diretor, ou mantiveram o trabalho que vinha sendo realizado pelo governo de Dorinha?

Felipe Gonçalves – A nossa administração não encaminhou Plano Diretor para a Câmara Municipal. A lei encontra-se arquivada na referida casa desde a gestão passada. Em reunião oficial com os vereadores, falei sobre a importância da aprovação do Plano Diretor que vem sendo elaborado com a ajuda e supervisão da Agencia Metropolitana e Ministério Público. Tenho conhecimento do teor do Plano Diretor e sei o quanto a sua aprovação trará benefícios para o desenvolvimento do município, por isso sou a favor da aprovação do Plano como está e sei ainda que qualquer alteração estrutural vai gerar anos e anos de discussões, inviabilizando a aprovação por pelo menos uns cinco anos.

Anúncio

Thiago Carvalho – É muito difícil separar as cidades de Rio Acima, Raposos e Nova Lima quando se trata de governabilidade, pois estão nas mesmas delimitações geográficas do Estado, e estão ligadas por inúmeros fatores socioeconômicos. Nas últimas duas décadas, Nova Lima e Belo Horizonte se ligaram por meio dos Bairros Vila da Serra e Belvedere. Isto empurra o crescimento imobiliário para a região de Rio Acima. Como o novo plano diretor comtempla este grande fluxo de pessoas vindo para a região?

Felipe Gonçalves – As regras do Novo Plano Diretor  direciona o município de Rio Acima ao encontro da Zona Sul de Nova Lima e Belo Horizonte. A mancha que compreende a área de expansão urbana de Rio Acima é propicia para a criação de condomínios e encurta a distância com Nova Lima, tornando-se mais atraente. Além disso, teremos uma grande valorização imobiliária, aumento de oportunidades de emprego, fortalecimento do comércio e desenvolvimento para o município.

Thiago Carvalho – Outro fator importante na cidade é o potencial turístico, que conta com cachoeiras, trilhas, comidas e um clima excelente. Isto está contemplado no plano diretor? E quais são as metas do governo pós-pandemia?

Felipe Gonçalves – A meta do Novo Governo é trazer o desenvolvimento sustentável do município a partir do turismo! Já está sendo criado o plano de desenvolvimento do turismo em Rio Acima, que compreende o embelezamento da cidade, capacitação profissional, atração de investimentos, parceria com empresas privadas, calendário cultural, fortalecimento das feiras livres e artesanato, rota gastronômica, retorno da Maria Fumaça, dentre outras ações e ferramentas necessárias para o sucesso do desenvolvimento do turismo na cidade.

Thiago Carvalho – Rio Acima é considerada uma cidade de pequeno porte, contudo aos finais de semana recebe, fora da pandemia, uma grande quantidade de pessoas. Situação que prejudica a mobilidade urbana. A duplicação da ponte principal da cidade é uma demanda antigas dos moradores. Esta obra foi iniciada pelo governo passado, mas no momento está paralisada e está mais de 70% concluída. Qual o motivo da paralisação de uma obra de infraestrutura tão importante para o município? Existe previsão para o retorno deste projeto?

Felipe Gonçalves – A duplicação da ponte é sim necessária. Porém, depois de finalizada a obra, o gargalo do trânsito continuará na Praça Paulo Teixeira. Entendo que a construção de uma ponte nova em outro ponto da cidade é o que resolveria o problema, dando viabilidade de fluxo para o trânsito. Até mesmo o Plano Diretor prevê o crescimento da cidade no sentido norte, onde temos vários pontos de possível ligação dos bairros da cidade com a construção de ponte sobre o Rio das Velhas, o que desafogaria o trânsito e facilitaria o desenvolvimento adequado da região. Apesar disso, é claro que vou finalizar a obra da ponte do Centro da cidade, assim como o reforço da ponte velha. O motivo da paralisação da obra da ponte é a impossibilidade da finalização dentro das condições do contrato. A obra foi orçada e licitada num valor aproximado de RS 6.240.000,00 (seis milhões, duzentos e quarenta mil reais), podendo este valor chegar a aproximadamente R$ 8.600.000,00 (oito milhões e seiscentos mil reais) com aditivos. O fato é que para a obra ser finalizada, os valores chegarão a aproximadamente R$  13.000.000,00 (treze milhões de reais) o que extrapolaria o valor permitido legalmente. Portanto, é preciso fazer uma auditoria em todo o processo, não para apenas apurar e corrigir supostas falhas, mas para obtermos um parecer técnico e jurídico para dar continuidade à obra com segurança jurídica. Não sendo dessa forma, corre-se o risco de crime de improbidade. Portanto, assim que for possível juridicamente, darei continuidade à obra da ponte principal

Thiago Carvalho – Você anunciou em março, uma parceira com a empresa Saritur  que pretende aumentar os itinerários dos ônibus Nova Lima/ Rio Acima, Belo Horizonte/ Rio Acima. Desta forma, o usuário poderá seguir até alguns bairros da cidade. Como foi feita esta parceria? Existe algum custo ao município por esta extensão?

Felipe Gonçalves – A melhoria do transporte público é um anseio de qualquer cidadão ou usuário em todo o Brasil. O problema é geral, ônibus cheio, poucos horários, passagens caras, tudo isso são reclamações que se vê em todo o país e aqui em Rio Acima não é diferente. Diante da situação, como prefeito municipal, me comprometi em ajudar a população nas tratativas com a empresa prestadora do serviço, levando a eles as reclamações e sugestões dos usuários, o que não ocorria anteriormente, a população não era representada. Sabemos que a concessão do serviço é de competência estadual e não do município, mesmo assim, procurei a empresa e levei as solicitações dos Rioacimenses e a mesma se comprometeu em avaliar e ajudar no que fosse possível. Após alguns dias foi anunciada pela empresa uma melhoria no transporte, qual seja a integração. Consiste na circulação de um micro-ônibus que atende aos usuários das linhas 3838 e 3848 de forma gratuita, levando e buscando os passageiros mais próximo de suas residências. A integração não custou nada ao município.

Thiago Carvalho – Felipe, muito obrigado por atender o Jornal Minas. Gostaria de deixar uma mensagem aos rioacimenses?

Felipe Gonçalves – Eu que agradeço pela oportunidade de atender ao Jornal Minas afim de poder assim levar mais informações a população. Estarei sempre à disposição. Estamos ainda no início do mandato e já realizamos muitas mudanças, para melhor e estamos empenhados em querem fazer muito mais. Tenho feito um governo comprometido com o povo e dado transparência às ações da prefeitura notificando constantemente a população através de nosso site e redes sociais, procurando deixar todos informados, criando assim uma interatividade, procedimento esse que não acontecia antes de assumirmos. Com uma visão inovadora e moderna, tendo apoio de minha vice-prefeita Maria do Socorro, tendo uma boa equipe de secretários com seus respectivos colaboradores, fazendo uma gestão bastante, dialogando com a população e atendendo às demandas a partir do planejamento consciente, visando a melhoria da qualidade dos serviços públicos e o desenvolvimento da cidade, além do crescimento pessoal, capacitação e valorização dos munícipes.

Esta foi a entrevista com Felipe Gonçalves. Obrigado pela leitura!  Siga nossa coluna para ficar atualizado sobre a política do Estado.

Por Thiago Carvalho

JORNAL MINAS reforça seu compromisso com o profissionalismo, a qualidade e o jornalismo mineiro. Nossa redação fornece informações responsáveis ​​e confiáveis ​​todos os dias. Apoie a informação de qualidade, siga-nos pelas redes sociais – Facebook Instagram Twitter Whatsapp

Compartilhar esta notícia:


Comentários


Anúncio


Redes sociais
Jornal Minas